CONSTRUIR A TERRA, CONQUISTAR A VIDA – AS CAPAS

Algumas pessoas me perguntaram o que significam os objetos extras nas capas de cada um dos tomos do livro; se há alguma ligação com o momento da história. Sim, há. O critério de divisão dos tomos foi o quantitativo de páginas, de forma que todos os três tivessem mais ou menos o mesmo número de páginas. Mesmo assim, em cada tomo, há predominância de certo tipo de evento, por conta do desenvolvimento da cidade e da fase das vidas das personagens principais. 
No primeiro tomo, predominam as lutas pela conquista da cidade, e os esforços com a construção de uma estrutura básica que mantivesse as pessoas morando no local. A conquista da cidade foi feita à base de força militar, representada pela espada presente na capa. 
No segundo tomo, a cidade está construída – e as famílias também – e é época de consolidar o poderio sobre a região e criar os filhos. Os dias das grandes batalhas se passaram, e as personagens podem trabalhar e aproveitar a vida em passeios e festas. Os mais velhos passam para os mais novos as tradições de histórias, músicas e danças e é o que o alaúde representa. 
No terceiro tomo, temos uma cidade que não sofre mais tantas ameaças e que começa a expandir e se firmar como um centro importante. Os filhos decidem seus destinos e a vida prossegue, no único caminho possível. O símbolo dessa fase são as três flechas de São Sebastião, que por muito tempo fizeram parte do escudo do Rio de Janeiro, nessa mesma disposição.
Venha conhecer Duarte Correia e o Rio de Janeiro do século XVI, dia 18/11, na M&C Escola de Música.
Posted on: 11 de novembro de 2015Mônica Cadorin