SEM ASSUNTO… OU DICAS PARA ESCREVER MELHOR

Chegou o dia de publicar um texto no blog e não tenho nada pré-preparado. Não gosto disso. Gosto de escrever meus textos com calma, revisá-los, relê-los, tirar partes daqui e colocar ali, jogar tudo fora e começar de novo, aproveitar uma ideia daqui e uma dali para fazer uma coisa só, reescrever tudo, trocar palavras e frases inteiras… Enfim, gosto de ter tempo de dar polimento ao texto, para que ele não seja como este que estou escrevendo agora: simples, direto ao ponto, talvez pobre de conteúdo (não sei, ainda não acabei de escrever).
 
Pois é, como o texto dos 28 anos de carreira estava pronto desde janeiro, eu acabei me descuidando dessa escrita e não adiantei os textos para publicar este mês. Queria muito contar como anda a história de Toni, mas vou preferir falar sobre isso em junho, quando fará dois anos que comecei a escrevê-lo. Talvez até lá o nome de Rosinha esteja mais justificado, por ela ter voltado à história. Só vou saber quando junho chegar.
 
Eu tinha começado a escrever um texto sobre a idade de minhas personagens, mas percebi que minha apresentação estava incorreta, então tenho que primeiro corrigir as informações para só depois poder tecer comentários e conclusões. As publicações anteriores vinham falando de amor, mas os principais casos já citei: o amor à primeira vista, como em Romeu e Julieta; e o amor desde sempre, como em O morro dos ventos uivantes.
 
Na falta de outro assunto a tratar de forma organizada, vou deixar aqui uma lista de “dicas para escrever melhor”, que fiz pensando nas listas de dicas de autores de sucesso. Me digam se concordam ou discordam, e se devo discorrer mais detalhadamente sobre algum dos itens. Minhas dicas são estas:
 
1 – Passe a infância e a adolescência lendo livros apropriados à faixa etária. A partir do final da adolescência, todos os clássicos da literatura universal já são apropriados.
 
2 – Escreva tudo o que lhe vier à cabeça; faça o melhor que puder e depois corrija, reescreva, retire partes, acrescente partes, mude palavras, mude cenas inteiras. E depois, corrija, reescreva, revise, retire retire partes, acrescente partes, mude palavras. mude cenas inteiras… o trabalho realmente não tem fim.
 
3 – A menos que você seja um gênio, seu primeiro texto será ruim. Só comece a procurar publicação a partir do segundo, devidamente amadurecido e revisado.
 
4 – Descubra seu ponto forte e invista nele – e aqui me refiro a gênero (romance, conto, crônica, poesia, etc), tipo (romance, drama, comédia, policial, fantasia, ficção científica, etc), narrativa (diálogos, descrição, argumentação, dissertação, etc), criação de personagens, criação de situações, etc. Faça o que você sabe fazer de  melhor.
 
5 – Amadureça o texto antes de mostrá-lo a alguém.
 
 
6 – Seja humilde para aceitar críticas, mas não seja submisso para mudar todo seu texto por causa delas.
 
7 – Erros intencionais precisam ser justificados; erros não-intencionais precisam ser corrigidos.
 
8 – Personagens podem usar clichês; o narrador, não
 
9 – Deus-ex-machina é permitido, mas sem exageros
 
10 – não perca tempo lendo dicas de escrita de outros escritores.
 
Posted on: 11 de abril de 2013Mônica Cadorin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *